você está aqui: Home  → Arquivo de Mensagens

Procedimento para recuperação de filesystems em sistemas Solaris

Colaboração: Rubens Queiroz de Almeida

Data de Publicação: 18 de Abril de 1997

A seguir são detalhados os procedimentos necessários para a recuperação de sistemas de arquivos em sistemas Solaris. Os nomes designativos dos filesystems são hipotéticos e devem ser ajustados à situação específica de cada sistema. No nosso caso utilizamos, para o filesystem "/", a designação /dev/dsk/c0t3d0s0.

Recomenda-se que se salve em papel ou em várias outras máquinas, todos os arquivos descritivos dos filesystems e informações de alocação de espaço em disco (arquivo /etc/vfstab e a saída do comando prtvtoc para cada um dos discos do sistema). Isto se faz necessário para que se possa recuperar rapidamente os filesystems ou migrá-los com facilidade para outra máquina em caso de um crash total. É claro que isto somente será possível se existirem os backups de todo o sistema. Este tópico será abordado em mais detalhes em outro documento.

Procedimento de Recuperação:

1. Realizar o boot da máquina a partir do CDROM:

Inserir o CDROM com o sistema operacional Solaris na unidade de CD.

O boot a partir do CDROM somente é necessário para a recuperação dos sistemas de arquivos root (/), /usr e /var. A manutenção destes arquivos é impossível com o sistema funcionando em modo multiusuário. Os demais filesystems podem ser recuperados com a máquina em modo multiusuário, mesmo que sem disponibilizar alguns serviços que dependam de algum sistema de arquivos que possa estar danificado.

2. Colocar a máquina em modo de PROM pressionando as teclas

  	<STOP><A>

A seguir aparecerá o prompt:

  	OK> 

Digitar então:

  	OK> boot cdrom

Ao final do boot pelo cdrom, aparecerá uma janela para instalação do Solaris. Esta janela não deve ser utilizada. Clicar com o botão direito do mouse no fundo da tela e, ao aparecer o menu, selecionar a opção para criar uma ou mais novas janelas (cmdtool ou qualquer aplicação que ofereça um prompt de comandos).

Caso o filesystem root (/) tenha sido danificado, reconstruir o sistema de arquivos:

  	# newfs /dev/dsk/c0t3d0s0
  	newfs: construct a new filesystem /dev/rdsk/c0t3d0s0 : (y/n) ?

Responder afirmativamente (y)

Será então construído um novo filesystem na partição indicada. Após a reconstrução do filesystem deve ser executado o restore do sistema de arquivos a partir da fita de backup. Para realizar o restore montar o sistema de arquivos:

  	# mkdir /tmp/mnt
  	# mount /dev/dsk/c0t3d0s0 /tmp/mnt

Uma vez montado o sistema de arquivos, realizar então o restore a partir da fita. Restaurar primeiramente o backup nível zero e em seguida todos os backups incrementais, como descrito abaixo:

  	# cd /tmp/mnt
  	# ufsrestore rvf /dev/rmt/0h (restore backup nível 0)
  	# ufsrestore rvf /dev/rmt/0h (restore backup incremental)
          ....
  	# rm restoresymtable

O arquivo restoresymtable somente deve ser removido ao final do restore. Este arquivo é utilizado para sincronizar o restore realizado a partir de dumps nível 0 e dumps de outros níveis. Somente ao final de todos os restore (totais e incrementais) remover o arquivo restoresymtable.

Se for a partição de boot, é necessário também executar o comando installboot, que irá gravar no disco a localização do programa de boot da máquina o qual tem por função carregar o kernel do sistema em memória.

  	# installboot /usr/lib/fs/ufs/bootblk /dev/rdsk/c0t3d0s0

Uma vez efetuada a gravação no disco da localização do programa de boot desmontar o sistema de arquivos e executar o shutdown (halt) do sistema:

  	# cd /
  	# umount /tmp/mnt
  	# halt

Caso a partição de boot não seja a primeira do disco (s0) é necessário definir no modo PROM a variável boot-device:

  	OK> setenv boot-device disk3:0

Quando a partição root estiver no slice 0, não é necessário especificar nem o disco nem o slice. A seguinte definição seria suficiente:

  	OK> setenv boot-device disk

A especificação acima fará com que o sistema busque, em todos os discos, e no slice 0, pelo programa de boot.

A especificação do slice varia de 0 a 7. Cada disco, independentemente de seu tamanho, pode conter até oito partições.

Por exemplo, se o filesystem root for instalado em /dev/dsk/c0t3d0s7 a variável boot-device deve ser definida como:

  	OK> setenv boot-device disk3:7

Durante o processo de recuperação é importante que se tenha em mãos a tabela de alocação dos discos. Esta informação permitirá que discos eventualmente danificados sejam totalmente reconstruídos.

Após a restauração dos arquivos essenciais, criar o arquivo /etc/nologin, contendo uma mensagem que será exibida aos usuários que tentarem acessar o sistema durante o período de recuperação. Durante esta etapa pode ser que se façam necessários alguns reboots e é conveniente não permitir que usuários acessem o sistema até que os procedimentos de recuperação tenham se encerrado.



 

 

Veja a relação completa dos artigos de Rubens Queiroz de Almeida

Opinião dos Leitores

Seja o primeiro a comentar este artigo
*Nome:
Email:
Me notifique sobre novos comentários nessa página
Oculte meu email
*Texto:
 
  Para publicar seu comentário, digite o código contido na imagem acima
 


Powered by Scriptsmill Comments Script