você está aqui: Home  → Arquivo de Mensagens

O que é neutralidade da rede e porque você precisa se preocupar com isso

Colaboração: Jomar Silva

Data de Publicação: 09 de novembro de 2011

Participei na semana passada do I Fórum da Internet do Brasil, e me surpreendi ao ver um representante do SindiTelebrasil ler em uma das salas de debate (Trilha 5, onde Neutralidade era um dos temas), um comunicado do Sindicato defendendo a flexibilização na definição de Neutralidade da rede no Brasil. O conteúdo do texto (ou parte dele) pode ser encontrado no site da instituição aqui.

Basicamente o que eles pedem é que o conceito de neutralidade a ser adotado no Brasil (por regulamentação da ANATEL, brecha já introduzida por eles no projeto de lei do Marco Civil), seja expandido para que permita " ... às prestadoras ofertar serviços customizados que atendam a perfis de consumo específicos e adotar medidas para gestão e diferenciação de tráfego, inclusive aquelas que envolvam diferenciação de custos, preços e priorização por tipo de trafego."

Pode parecer algo simples, mas impacta e muito a vida e o bolso de todos os internautas brasileiros, e vou explicar o motivo.

Em 2009, o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), aprovou e publicou uma resolução onde define os "Princípios para a Governança e uso da Internet no Brasil". A resolução apresenta 10 pontos que deve ser considerados como base para a governança da Internet em nosso país, e o item 6 do documento fala sobre a Neutralidade da Rede:

6. Neutralidade da rede

Filtragem ou privilégios de tráfego devem respeitar apenas critérios técnicos e éticos, não sendo admissíveis motivos políticos, comerciais, religiosos, culturais, ou qualquer outra forma de discriminação ou favorecimento

Explicando o assunto de forma simplificada, imagine que a Internet seja uma grande estrada por onde passam diversos veículos, cada um deles carregando um pedaço de uma carga entre dois pontos. O que o princípio aprovado pelo CGI diz, é que "critérios técnicos e éticos" devem ser utilizados para se controlar o fluxo deste tráfego, não permitindo que critérios "políticos, comerciais, religiosos, culturais, ou qualquer outra forma de discriminação ou favorecimento sejam aplicados."

Se os princípios do CGI forem seguidos, o tráfego de dados na Internet será regulado de forma muito parecida com o tráfego de veículos pelas estradas, onde critérios técnicos e éticos são usados para "dar preferência" ao tráfego de determinados tipos de veículos (como veículos de emergência). Este é o princípio da isonomia no tratamento de pacotes.

Na Internet, ao invés de termos veículos carregados, temos pacotes de dados transportando os dados das aplicações que utilizamos no dia a dia, como páginas web, imagens, áudio e vídeo, que são necessários para podermos utilizar serviços como VoIP (Skype), vídeos (YouTube, NetFlix e similares), redes P2P (Torrent) e todo o resto que usamos no dia a dia em nossos computadores e celulares.

A proposta do CGI pede simplesmente que o controle de fluxo destes dados sejam feitos por critérios técnicos e éticos, como por exemplo a priorização do tráfego de áudio e vídeo, pois qualquer demora na entrega destes pacotes faz com que a experiência do usuário ao utilizar o serviço seja muito prejudicada.

O que o SindiTelebrasil quer é o oposto disso. Querem que as regras lhes permitam aplicar "outros critérios" para o controle deste fluxo de dados, permitindo que cobrem do consumidor de acordo com o tipo de uso que ele faz da rede. Já imaginou onde isso pode chegar?

Se não fizermos nada para lutar contra esta proposta apresentada por eles, que têm um poder enorme nas mãos, vamos ver em mais alguns meses a internet sendo fragmentada no Brasil, de acordo com o poder aquisitivo do Internauta. Teremos sim a Internet dos ricos (com áudio, vídeo e redes P2P) e a Internet dos pobres (páginas e no máximo imagens)? Não vou nem mencionar aqui a "falta de interesse" das empresas de telecom em ver serviços como o Skype funcionando bem no Brasil ou das operadoras de TV a Cabo (que também vendem conexões banda larga) em ver serviços como o NetFlix e similares chegando a todo o vapor no Brasil, oferecendo uma alternativa barata aos caríssimos pacotes de TV por Assinatura que temos por aqui.

As teles justificam seu pedido dizendo que sem esta "regulamentação", a Internet brasileira vai entrar em colapso e que se todo mundo resolver usar a banda que lhes é vendida, a Internet brasileira sai do ar? Fico aqui me perguntando se sou o único a achar isso um absurdo sem tamanho. Como disse um amigo meu, mais uma vez eles querem privatizar o lucro e socializar o prejuízo.

Vale a pena dizer que a luta que teríamos que travar no momento é para que as Teles entreguem de verdade a banda de internet que nos vendem, pois pasme você, em muitos contratos de "Banda Larga" no Brasil, a banda "garantida" é 10% da banda contratada. Sim, neste exato momento pode ter gente te fazendo de otário te vendendo uma conexão de 2 Mbps e te entregando apenas 200 Kbps.

Já existem diversos grupos de ativistas na rede se articulando para defender os nossos direitos frente a este ataque à nossa liberdade na rede (sim, eles podem decidir que você não vai mais usar o Skype, ver vídeo ou usar redes P2P e pronto), e por isso eu convido você internauta a procurar mais informações em grupos como o Mega Não e descobrir como você pode colaborar para manter nossa rede como é. Se não for por você, faça pelos seus filhos, para que tenham no futuro uma rede como aquela que você teve e que te trouxe até aqui.

Artigo publicado originalmente no blog do autor, em 19 de outubro de 2011

Linux From Scratch versão 7.0 é lançado

Fonte: Notícias Linux

O projeto Linux From Scratch (LFS) liberou a versão 7.0 de seu manual para construir uma instalação Linux personalizada. A nova versão destas instruções passo-a-passo usa componentes mais recentes do que em edições anteriores - por exemplo o Linux kernel 3.1, o GCC 4.6.1 e Glibc 2.14.1. O novo LFS também explica como configurar um diretório "/run" na raiz do diretório raiz usando tmpfs, algo que várias distribuições tem feito já há alguns meses. O manual está sob licença Creative Commons (Attribution-NonCommercial-ShareAlike 2.0).



 

 

Veja a relação completa dos artigos de Jomar Silva

Opinião dos Leitores

Marcio Carneiro
22 Jun 2013, 18:37
Foi o CGI que propôs, inicialmente, a ÉTICA como padrão "técnico", pois se pode existir um padrão TÉCNICO para orientar uma definição, então, NÃO PODE HAVER PADRÃO ÉTICO.

É como dizer que um livro de matemática impresso na China deve ser proibido porque é "comunista". Uma Integral é uma Integral.

E não se fala em ética quando se fala em .gov.

"Qualquer" ética é tão boa quanto "qualquer" ética.

Quanto à Internet, não vi nenhuma "doação" dos Soviéticos e outros tipos de comunistas e socialistas. A INTERNET é uma criação dos EUA e países da Europa Ocidental.

Se tivesse sido inventado em qualquer país comunista ou socialista jamais teria chegado a nós.

O discurso comunista - ou socialista - é travestido do queremismo que sê nas ruas hoje: "Livre como em LIBERDADE?"

Liberdade é o que você tem quando você é DEIXADO LIVRE, isto é, você não pode ser coagido. Quando 51% das pessoas decidem pôr as mãos em seu dinheiro e chamam a isto de "imposto", é COAÇÃO E VIOLA SUA LIBERDADE. ISTO E IMORAL.

Qual a ÉTICA que autoriza isto?

"Por que então querem regulamentar o acesso a internet? "

Simples, porque a INTERNET é uma ENTIDADE PRIVADA, tem dono e público usuário, só por isto.

Se você "se acha no direito de privatizar" a propriedade privada de outras só para você, é outra coisa.

O caminho do bem-usar um recurso não passa por "roubar o recurso legalmente", isto é, você NÃO TEM DIREITO A INTERNET.

Quando o CGI diz que "Filtragem ou privilégios de tráfego devem respeitar apenas critérios técnicos e éticos, não sendo admissíveis motivos políticos, comerciais, religiosos, culturais, ou qualquer outra forma de discriminação ou favorecimento" quer dizer que a ÉTICA que deve ser usada é a dele, CGI, e não a sua ou a minha. E isto já e uma COAÇÃO, pois o CGI não pode existir para isto pois usurpa o PODER DE IMPÉRIO, que é do povo e concedido aos eleitos. Não se vota no CGI.

Então, o debate "ético" já está pôsto. Agora e cada um por si ..

Diferente? Outro CGI.


... devagar com o andor, o santo é de barro ...

Filipe
10 Nov 2011, 06:15
Este site não é um lar do software livre e do linux?
Livre como em LIBERDADE?
Por que então querem regulamentar o acesso a internet? Regulamentar significa retirar a liberdade, seja das pessoas seja das empresas. Deixemos as empresas fazerem o que quiserem, e nós também devemos ser livres para escolher quem irá nos fornecer internet ao invés de mais um orgão regulamentador (ANATEL) que impede empresas inovadoras de surgirem na prestação de serviços de internet.
Assistam esse video http://www.youtube.com/watch?v=KoZgAFFg5LQ de 36seg e reflitam.
Michel Silva
09 Nov 2011, 08:41
parabéns ao Jomar.

moro em Rondônia, em 2004 usava um link de 600K e acredite era muito mais eficiente que os atuais 5M, conversei com outros amigos que trabalhão com TI e todos falam a mesma coisa "nossos megas só acontece pela madrugada" de dia parece conexão discada, isto não é brincadeira, todo o estado de Rondônia tem um único fornecedor domestico e este problema vem acontecendo deste março de 2011, imagina se aplicam estas limitações.

[]´s
Márcio C. M. Rezende
09 Nov 2011, 08:12
Não sei mas tenho a nítida impressão que esta filtragem já ocorre idiscriminadamente hoje, pois é notável como o serviço de uma operadora sofre uma perda considerável de qualidade quando surge uma campanha para que se migre para uma velocidade maior. Tenho a impressão, que as duas últimas operadoras que usei utilizam este artifício SACANA. É comum receber telefonemas oferecendo bandas mais "rápidas" quando a sua está "digamos assim" um pouco "lerda", tendo sido satisfatória por pelo menos uma dúzia de meses

Infelizmente este é mais um caso do "lema nacional" e recentemente "internacional": Ética, pra que te quero?

Traduzino: resistance is futile, you'll be assimiled.

*Nome:
Email:
Me notifique sobre novos comentários nessa página
Oculte meu email
*Texto:
 
  Para publicar seu comentário, digite o código contido na imagem acima
 


Powered by Scriptsmill Comments Script