você está aqui: Home  → Arquivo de Mensagens Programação Shell Linux: Inscrições Abertas

LaTeX - Uma Alternativa mais Eficiente Comparada aos Sistemas WYSIWYG

Colaboração: Rubens Queiroz de Almeida

Data de Publicação: 30 de Outubro de 2000

Eu tenho por hábito enaltecer as qualidades do sistema TeX de editoração eletrônica. Estou incluindo nesta mensagem um artigo escrito por Klaus Steding-Jessen, que aborda a questão de forma bastante inteligente.

Espero que gostem...

       LaTeX: Uma Alternativa mais Eficiente Comparada aos Sistemas WYSIWYG
                Parte 1: Introdução, Vantagens e Instalação
                                      
                            Klaus Steding-Jessen
                               jessen@acm.org
                                      
                           15 de setembro de 1998
                               Revision: 1.4
                                      
  Resumo:
  
   O objetivo desta série de três artigos é descrever o sistema LaTeX
   como uma alternativa mais eficiente aos processadores de texto
   WYSIWYG. Esses artigos destinam-se aos usuários e entusiastas dos
   sistemas Unix, principalmente os Free Unix, como Linux, FreeBSD, etc.
   No primeiro artigo são abordadas as vantagens, desvantagens e mitos do
   LaTeX frente aos sistemas WYSIWYG como Word, WordPerfect e outros. É
   descrito o procedimento de instalação e configuração da distribuição
   teTeX--uma implementação bastante completa de LaTeX2e para sistemas
   Unix. Nos demais artigos da série será descrita a geração de
   documentos: indo de exemplos simples até dicas mais complexas. Uma
   série de referências também estarão disponíveis para os usuários que
   quiserem aprofundar-se no uso do LaTeX.
   
                                  Introdução
                                       
   Nos últimos tempos tem sido observada uma crescente popularização nos
   sistemas baseados em Free Unix (Linux, FreeBSD, etc.) frente aos
   ``sistemas operacionais'' proprietários normalmente impostos, como
   DOS/Windows. As vantagens dos primeiros são grandes: maior
   estabilidade, segurança, performance, portabilidade e menor custo. O
   grande número de usuários desses sistemas dispostos a responder
   perguntas e resolver problemas em grupos de discussão constitui um
   excelente mecanismo de suporte, muito mais ágil e provavelmente mais
   confiável do que os ``suportes'' tradicionais. Sem esquecer, é claro,
   ter todo o código fonte do sistema à disposição: possibilidade de
   procurar bugs antes que eles apareçam, corrigir problemas sem ter que
   ficar amarrado à algum fabricante fazer a correção ``oficial'' dentro
   de seis meses, além do aspecto educacional de ter o fonte disponível
   para estudo.
   
   Muitos usuários dos Free Unix, contudo, ainda continuam a usar seus
   antigos Windows para algumas tarefas, tipicamente processamento de
   texto. Não raro se escuta: ``Só não apago essa partição Windows porque
   preciso do Word para meus textos''.
   
Objetivos

   O objetivo desta série de artigos é descrever o sistema LaTeX como uma
   alternativa mais eficiente aos processadores WYSIWYG (``What You See
   Is What You Get''). Não apenas é free e disponível no Free Unix de sua
   preferência, como é capaz de gerar textos de altíssima qualidade
   tipográfica, além de várias outras vantagens discutidas na seção 2.
   
O que são TeX, LaTeX, LaTeX2e e teTeX?

   TeX é um sistema de typesetting criado por Donald E. Knuth para
   produção de material (livros, artigos, etc.) de alta qualidade
   tipográfica. TeX é de fato um processador de macros e possui poderosa
   capacidade de programação. Junto com o sistema está disponível um
   pequeno conjunto de macros denominadas ``plain TeX''. Quando alguém
   diz que está escrevendo um texto diretamente em TeX geralmente quer
   dizer que está usando este conjunto minimal de macros ``plain TeX''.
   
   LaTeX é um conjunto de macros de TeX originalmente escritos por Leslie
   Lamport que implementam um sistema de preparação de documentos. LaTeX
   define uma linguagem de markup de mais alto nível que permite
   descrever o documento em termos de sua estrutura lógica e não apenas
   do seu aspecto visual. Usando diferentes classes de documentos e
   packages adicionais o usuário pode produzir uma grande variedade de
   layouts. Sua primeira versão largamente usada foi a 2.09, lançada em
   1985.
   
   LaTeX2e, criado em 1994, é a última versão do LaTeX. Hoje é a versão
   padrão; a versão 2.09 não é mais suportada. LaTeX2e é compatível com a
   antiga versão 2.09, mas implementa novas features, como melhor suporte
   a cores e figuras, melhoria de alguns comandos, etc.
   
   teTeX é uma das mais completas distribuições de (La)TeX disponíveis
   para o mundo Unix. Por distribuição entende-se o conjunto de
   programas, fontes e packages necessários para ter uma instalação
   (La)TeX funcional.
   
Audiência e Pré-requisitos

   Essa série de artigos destina-se aos usuários e entusiastas dos
   sistemas Unix free. Assume-se que o leitor já possui um sistema
   rodando e um ambiente gráfico (X Window) já configurado. Um
   conhecimento básico do sistema e de suas ferramentas, como editores,
   etc. é desejável. Não é necessário nenhum conhecimento prévio de
   LaTeX.
   
   Nesse primeiro artigo serão discutidas as vantagens e desvantagens do
   LaTeX e vários dos mitos que se costuma ouvir sobre ele. Depois serão
   dadas dicas para instalação e configuração desse sistema.
   
   Os demais artigos da série assumirão que você já possui LaTeX
   instalado e configurado e passarão a explorar a criação de documentos.
   Serão mostrados vários exemplos: de textos simples até o uso de
   features mais complexas.
   
   No final dos três artigos o leitor estará apto a criar vários
   documentos mais complexos bem como tentar resolver problemas não
   discutidos aqui através de referências on-line e livros.
   
                                       
                   Vantagens do LaTeX sobre outros sistemas
                                       
   
   Layout Lógico
          Há uma clara separação entre o layout e o conteúdo do
          documento. Abstraindo o layout é muito mais fácil concentrar-se
          no que é realmente importante no texto: conteúdo. Com
          ferramentas WYSIWYG é fácil distrair-se com uma infinidade de
          fontes e formatações visuais possíveis e esquecer-se da
          qualidade do texto propriamente dito. Embora muitas ferramentas
          deste tipo possuam recursos para definir estilos e estruturação
          das diversas partes do documento eles são negligenciados a
          maioria das vezes. A capacidade do LaTeX de definir e usar
          macros também é muito conveniente: pode economizar digitação
          bem como manter todo o seu documento coerente. Se você mudar a
          definição de uma macro todas as partes do seu documento que a
          usam mudam de acordo. Isso parece óbvio, mas é fundamental para
          textos grandes. Imagine mudando nas 150 páginas do seu
          documento uma categoria de palavra de bold para itálico. Com o
          uso de macros você mudaria apenas a sua definição, e essa
          mudança seria refletida imediatamente no documento todo. Além
          de consistência o uso de macros traz outras vantagens, como a
          capacidade automática de indexação. Por exemplo, você poderia
          definir uma macro para nomes de mamíferos--cada vez que usada
          no texto faz com que o nome do animal apareça em itálico além
          de incluí-lo automaticamente no índice remissivo.
          
   Resultado Tipográfico Superior
          LaTeX usa TeX internamente para fazer o typesetting do
          documento. Do ponto de vista tipográfico TeX gera uma saída
          muito superior do que a maioria dos outros softwares de
          processamento de texto. Isso inclui uma melhor hifenação e
          consequente melhoria no espaçamento entre palavras. Reparem,
          por exemplo, como o Word é péssimo para fazer hifenação. Não
          raro encontram-se documentos longos (como teses) que
          praticamente não usam hifenação alguma, traduzindo-se no efeito
          bastante desagradável de grandes espaços entre palavras. TeX
          também produz ligaduras (certas combinações de letras que são
          tratadas como uma unidade, resultando em melhoria estética como
          ``ff',``ffi', `ffl', etc.), italic correction (pequeno ajuste no
          espaçamento depois de uma palavra em itálico, dependendo da
          última letra e da pontuação que a segue) e kerning (combinações
          de letras adjacentes que precisam ser aproximadas para uma
          melhor aparência, como ``A' perto de``V') automaticamente.
          Fórmulas matemáticas são geradas com qualidade superior a de
          qualquer outro software.
          
   Portabilidade
          LaTeX roda hoje em virtualmente todos tipo de máquina e sistema
          operacional. Isso inclui todos os Unix em suas diversas
          plataformas, VMS, Macintosh, Windows, DOS, Amiga, Atari, etc.
          Você pode preparar seu documento numa máquina e sistema
          operacional e ter um output idêntico em outro sistema
          completamente diferente do seu. É possível preparar um
          documento usando mais de um sistema (em casa e no trabalho, por
          exemplo), movendo o documento entre sistemas ou juntando as
          partes apenas no final. Você pode usar uma máquina com poucos
          recursos de hardware para digitar seu texto e escolher
          processá-lo com o LaTeX nela mesma ou em outra máquina, mais
          rápida. Em sistemas como o Word portabilidade definitivamente
          não é o caso, sendo suportado apenas em duas plataformas. Mesmo
          entre sistemas e versões de software iguais o resultado
          geralmente não será idêntico por diferenças na impressora ou na
          configuração do sistema. Muitas vezes um documento gerado na
          maquina A não consegue nem ser lido pela máquina B, apesar das
          configurações aparentemente idênticas. Uma simples troca de
          impressora pode resultar na completa repaginação do documento.
          Esses fatos obrigam muitos usuários desses sistemas a ficar
          confinados à uma única máquina (e impressora) na produção dos
          seus documentos. Uma solução possível, nestes casos, poderia
          ser a criação de uma saída em PostScript para a impressão em
          outros sistemas. Entretanto, sistemas como o Word são notórios
          por produção de PostScript de péssima qualidade (muitas vezes
          causando erros em impressoras PostScript Level 2) além do fato
          de que configurar esses sistemas para gerar PostScript nem
          sempre é trivial.
          
   Estabilidade
          Tanto TeX como LaTeX são programas extremamente estáveis há
          muitos anos. A possibilidade de você deparar-se com algum bug
          sério é bastante remota. Donald E. Knuth, autor do TeX, oferece
          uma recompensa de US$ 327.68 para cada bug que for encontrado
          nesse programa. Esta grande estabilidade é sem dúvida um dos
          motivos da confiabilidade desses sistemas. Rodá-los em sistemas
          operacionais sérios e abertos aumenta ainda mais essa
          confiabilidade.
          
   Disponibilidade
          LaTeX é free software, com todas as vantagens que isto
          proporciona: você é livre para fazer modificações, corrigir
          eventuais bugs ou adaptá-lo a suas próprias necessidades.
          Muitos packages e estilos foram criados pela comunidade de
          usuários espalhados em todo mundo e estão disponíveis para uso.
          
          Com softwares proprietários, entretanto, você provavelmente
          terá que esperar que bugs sejam eventualmente corrigidos e as
          features que você deseja adicionados.
          
   Menores necessidades de hardware
          Tipicamente LaTeX é mais eficiente no uso de hardware,
          consumindo muito menos recursos do que os sistemas WYSIWYG
          atuais. Existem casos de pessoas que editaram teses inteiras,
          da ordem de 200 páginas, rodando LaTeX num IBM XT com 640 KB de
          memória. Dificilmente algum sistema WYSIWYG rodaria com os
          mesmos recursos.
          
   Formato dos Arquivos
          Há várias vantagens dos arquivos que compõem um documento LaTeX
          serem ASCII: permitem uma boa compressão e podem ser criados e
          manipulados por ferramentas tradicionais que trabalham sobre
          este tipo de arquivo. Você tem a liberdade de usar qualquer
          programa de edição de texto, verificação de ortografia,
          controlador de versão, assinatura digital, criptografia forte
          ou outra ferramenta que achar necessário, afinal, são arquivos
          texto tradicionais. Este formato também é mais apropriado para
          a produção de diffs. Aplicando-se apenas as diferenças pode-se
          construir a nova versão do documento sem ter que submetê-lo
          novamente a cada mudança. No caso de formatos binários isso
          obviamente não se aplica.
          
          Partes do documento, como tabelas e figuras podem ser geradas
          por outros programas e incluídas automaticamente ao documento.
          Tabelas, por exemplo, podem ser geradas por outros programas e
          convertidas por meio de filtros para o formato usado pelo
          LaTeX.
          
          No caso de um crash sério de disco é mais provável que se possa
          recuperar um documento importante lendo diretamente do device
          do que se fosse com algum formato binário proprietário que não
          se conhece o formato interno. O tamanho dos arquivos é outra
          vantagem: os arquivos binários de alguns sistemas WYSIWYG não
          raro são da ordem de 20 vezes maiores que arquivos LaTeX
          similares. Não só estamos falando de um aproveitamento mais
          racional de memória e disco mas também de uma edição mais
          rápida desses arquivos. Privacidade e segurança também são
          frequentemente negligenciados em algumas ferramentas WYSIWYG. O
          Word, por exemplo, além do texto propriamente dito costuma
          salvar outros dados no seu arquivo, como dados pessoais,
          detalhes sobre a configuração da máquina e impressora usados,
          pathnames, nomes de máquinas na rede, etc. Todas essas
          informações podem ser examinadas, por exemplo, com o comando
          strings do Unix. Muitas dessas ferramentas provêm mecanismos
          para criptografar textos. Contudo, alguns desses programas,
          como WordPerfect, usam algoritmos fracos de criptografia.
          Informações sobre esses algoritmos e como quebrá-los estão
          disponíveis na literatura [5]. Vírus de macro de Word
          tornaram-se muito comuns e representam outro risco à
          integridade não só dos documentos como de todo o sistema.
          
   Longevidade dos documentos
          É muito mais provável que documentos escritos com LaTeX ainda
          estejam legíveis daqui a, digamos, 10-20 anos, independente do
          hardware que esteja disponível. Mesmo as versões mais novas
          (LaTeX2e) ainda conseguem ler documentos criados na versão
          2.09, em modo de compatibilidade. Dificilmente isto é verdade
          com sistemas WYSIWYG proprietários, onde entre cada nova versão
          tipicamente o formato interno dos arquivos muda. Esta questão
          de longevidade dos documentos é realmente muito importante e já
          levou usuários de Word, por exemplo, a abandonarem este
          programa. Você consegue imaginar um Word 97 abrindo um arquivo
          de 10 anos de idade criado pelo Word 2?
          
   Tamanho da Instalação
          Atualmente uma instalação completa de LaTeX é consideravelmente
          menor que uma instalação típica de programas WYSIWYG, como
          Word, por exemplo.
          
   Geração de Referências Bibliográficas
          LaTeX tem um mecanismo bastante poderoso para inclusão e
          ordenação de referências bibliográficas. O formato usado é
          bastante popular e muitas entradas podem ser obtidas de bancos
          de material bibliográfico on-line. A maioria dos sistemas
          WYSIWYG não tem nenhum suporte para referências bibliográficas,
          obrigando o autor a cuidar das citações manualmente.
          
                                       
                  Desvantagens do LaTeX sobre outros sistemas
                                       
   Necessidade de outras ferramentas
          Para usar-se LaTeX é necessário o conhecimentos de uso de
          outras ferramentas, tipicamente um editor, spell checker, etc.
          
   Necessidade de previewer
          Para poder ver a versão formatada do documento é necessário
          rodar um previewer logo que o trabalho do LaTeX tenha
          terminado. Com o uso de um ambiente de janelas esse problema
          tende a ser minimizado; pode-se deixar o previewer
          constantemente rodando numa janela e apenas dando-se
          ``refresh'' de tempos em tempos.
          
   Formatação Visual
          O forte do LaTeX é a formatação lógica do documento. Desta
          forma, não é a ferramenta ideal quando formatação visual é
          necessária, como por exemplo cartazes, material publicitário,
          etc.
          
   Legibilidade do Código Fonte LaTeX
          Muitos usuários reclamam da falta de legibilidade do código
          fonte LaTeX, tipicamente quando criado por terceiros. Da mesma
          forma que indentação em código fonte em programas, esta questão
          é muito dependente de estilo. Como para o LaTeX não faz muita
          diferença como o fonte está organizado, isto pode levar a um
          código desagradável de se seguir e editar. Um pouco de prática,
          entretanto, assim como ferramentas adequadas (Emacs e AUC-TeX,
          por exemplo) ajudam a diminuir este problema.
          
   Tabelas
          Tabelas são geralmente mais fáceis de se fazer com ferramentas
          WYSIWYG, embora esta seja mais uma questão de prática. Esse
          problema também pode ser contornado fazendo-se as tabelas
          nessas ferramentas e convertendo-as para o LaTeX com vários
          filtros existentes.
          
   Diversidade de Distribuições
          Existem muitas distribuições de LaTeX atualmente em uso: teTeX
          para os Unix, MikTeX para Windows, OzTeX para Mac, etc. Como
          algumas dessas distribuições são mais completas do que outras,
          é possível que um documento desenvolvido numa distribuição
          possa não ser processado em outra, dependendo dos recursos
          usados, como fontes ou packages extras. Esse problema é de
          fácil solução, uma vez que o autor do documento pode
          simplesmente mandar os packages adicionais que seu documento
          necessita. Sem dúvida é um problema bem menor se comparado com
          os problemas de incompatibilidade, no caso dos programas
          WYSIWYG, entre documentos criados por diferentes versões do
          mesmo programa.
          
                               Mitos sobre LaTeX
                                       
   Ouve-se muito sobre os ``problemas'' do LaTeX. Embora de fato este
   sistema tenha algumas desvantagens (veja seção 3) a maioria dos
   argumentos não passam de mitos que são descritos abaixo:
   
   
   Só é bom para textos técnicos
          De fato, LaTeX é muito bom para este tipo de documento: tem
          excelentes capacidades para gerar referências bibliográficas,
          fórmulas matemáticas de alta qualidade, etc. Mas sem dúvida não
          está restrito a isto, sendo muito fácil gerar outros
          documentos: cartas, slides, trabalhos para a escola,
          relatórios, poemas, etc.
          
   Só roda em Unix
          LaTeX já foi portado para uma grande variedade de arquiteturas
          e sistemas operacionais. Há distribuições para Windows,
          Macintosh, DOS, VMS, Amiga, Atari, etc.
          
   É difícil fazer uma instalação LaTeX funcionar
          Isto pode ter sido verdade no passado, mas nas distribuições
          modernas, como a teTeX, o processo de instalação e configuração
          tornou-se uma tarefa bastante fácil e rápida.
          
   Só tem um tipo de fonte que não pode ser mudado
          A fonte default do LaTeX é a CM (Computer Modern, criadas por
          D. Knuth). Entretanto, é extremamente fácil trocar esta fonte
          por outras. Vários packages existem com esse objetivo, como por
          exemplo os packages times, palatino, helvet, etc.
          
   É ruim para textos com figuras
          LaTeX provê um mecanismo bastante simples para inclusão de
          figuras em formato Encapsulated PostScript (eps). Vários
          programas são capazes de gerar figuras nesse padrão. A
          conversão de outros formatos para eps também é uma tarefa
          bastante simples. Dependendo da distribuição que se use outros
          formatos de figuras podem ser incluídos diretamente, sem
          necessidade de conversão. É possível ainda manter comprimidas
          todas as figuras usadas pelo documento, instruindo o sistema a
          fazer a descompressão apenas no momento que for usá-las.
          
   Gerar acentos é muito inconveniente
          Acentos podem ser usados no encoding nativo do sistema, como
          por exemplo ISO-8859-1, codepage 850, etc. Só é preciso usar um
          package apropriado (inputenc) que faz parte da distribuição
          padrão. Não é preciso que se gere acentos como por exemplo
          ``\c{c}\~ao''.=
          
   Não gera documentos em Português
          O package babel inclui suporte não só para Português como
          vários outros idiomas. Dessa forma não apenas hifenação correta
          em Português é suportada como formato de datas, nomes de
          estruturas como ""Capítulo'',""Sumário'', ``Lista de
          Figuras'', etc. É possível também gerar documentos que usem
          mais de um idioma.
          
   Apenas programadores conseguem usá-lo
          A linguagem de markup do LaTeX não é difícil, é só uma questão
          de prática. Conceitualmente é semelhante a outras linguagens de
          markup, como HTML, embora mais poderosa que essa última sem
          ser, contudo, muito mais complexa. Não é necessário
          conhecimento de programação, do mesmo modo que esse
          conhecimento não é necessário para preparar-se uma página HTML,
          por exemplo.
          
   Ferramentas WYSIWYG são mais rápidas
          Essas ferramentas podem ser mais rápidas para documentos muito
          simples, como memorandos de 1-2 páginas ou cartas. Essa
          vantagem definitivamente some com documentos mais longos e
          complexos, quando a velocidade de edição tende a diminuir. Além
          disso a constante mudança na formatação visual (escolha de
          fontes, mudança no layout, etc.) é outro fator que diminui a
          produtividade dessas ferramentas.
          
   É muito difícil: você leva muito tempo para começar a usá-lo
          Com alguns exemplos já se é capaz de produzir os primeiros
          documentos. De fato, o aprendizado se dá de maneira gradual:
          features mais avançadas vão sendo aprendidas a medida que vão
          tornando-se desejáveis.
          
   A única maneira de aprender é oralmente, com outros usuários
          Há muitos modos de aprender a usar LaTeX: excelentes
          livros [3,1], FAQs e templates de documentos que podem servir
          como exemplo.
          
   É free, logo não tem suporte
          A principal fonte de suporte é sem dúvida o grande grupo de
          usuários de LaTeX existentes. De fato, existem diversos grupos
          de usuários, listas de discussão e Newsgroups onde há grandes
          chances de que suas dúvidas sejam resolvidas. Há, também, além
          de excelentes livros (veja item anterior) documentos on-line
          com exemplos e solução de problemas [4,6]. Entretanto, existem
          diversas empresas que vendem implementações comerciais de
          (La)TeX, incluindo programas, fontes (PostScript, TrueType,
          etc), documentação e suporte. Uma lista dessas implementações
          comerciais está disponível em:
          http://www.ams.org/tex/commercial-tex-vendors.html. Também é
          possível comprar um CD completo do LaTeX para várias
          arquiteturas por cerca de US$ 50.
          
   Só é capaz de gerar saída em formato DVI
          LaTeX é capaz de gerar documentos nos formatos DVI e PDF. Estes
          formatos podem ser posteriormente covertidos para PostScript,
          HTML e ASCII.
          
                                  Instalação
                                       
   Nesta seção discutiremos como instalar e configurar a distribuição
   teTeX na sua máquina. Os seguintes sistemas serão tratados: Linux
   (distribuições Slackware, Debian e RedHat) e FreeBSD. Caso você use
   outro Unix há grandes chances de encontrar os binários já prontos para
   o seu sistema ou de instalá-lo a partir do seu código fonte, como
   descrito abaixo.
   
   
   Linux (Slackware)
          Na distribuição Slackware o teTeX reside na série ``t''
          (t1-t9). Simplesmente rode o programa ``install'', entre na
          opção de instalação de software, escolha de onde você vai
          instalar (CD, floppy, etc.), selecione toda a série ``t'' e
          comece a instalar. É altamente recomendável instalar o pacote
          completo, incluindo documentação.
          
   Linux (Debian)
          Obtenha os seguintes arquivos do CD de instalação ou via ftp em
          ftp://linux.if.usp.br/pub/mirror/Debian/bo/binary-i386/tex/:
          
tetex-base_0.4pl6-5.deb
tetex-bin_0.4pl6-8.deb
tetex-dev_0.4pl6-8.deb
tetex-doc_0.4pl6-1.deb
tetex-extra_0.4pl6-4.deb

          Instale-os rodando ``dpkg -i'' em cada um dos pacotes.
          
   Linux (RedHat)
          Obtenha os seguintes arquivos do CD de instalação ou via ftp em
          ftp://linux.if.usp.br/pub/mirror/RedHat/redhat-5.1/i386/RedHat/
          RPMS/:
          
tetex-0.4pl8-11.i386.rpm
tetex-latex-0.4pl8-11.i386.rpm
tetex-afm-0.4pl8-11.i386.rpm
tetex-dvilj-0.4pl8-11.i386.rpm
tetex-dvips-0.4pl8-11.i386.rpm
tetex-xdvi-0.4pl8-11.i386.rpm
tetex-texmf-src-0.4pl8-11.i386.rpm

          Instale-os rodando ``rpm -i'' em cada um dos pacotes.
          
   FreeBSD
          Você pode instalar o package do teTeX diretamento do CD do
          FreeBSD, no diretório packages/All/ ou do seu mirror preferido,
          no diretório pub/FreeBSD/XXXX-RELEASE/packages/All/.
          
          Instale-o rodando ``pkg_add teTeX*''.
          
   Outros Unix
          Procure primeiro se já existem binários prontos para o seu
          sistema, em:
          ftp://sunsite.informatik.rwth-aachen.de/pub/comp/tex/teTeX/dist
          rib/binaries. Existem binários já compilados para vários
          sistemas: AIX, BSDI, Digital Unix, HP-UX, Irix, NetBSD,
          Solaris, SunOS entre outros. Caso não encontre o binário para o
          seu sistema (ou mesmo se preferir) você pode compilar e
          instalar teTeX diretamente do código fonte, disponível em:
          ftp://sunsite.informatik.rwth-aachen.de/pub/comp/tex/teTeX/.
          
          Siga as instruções para compilação e instalação no seu sistema
          que acompanham o pacote.
          
Configuração

   Depois de instalar o teTeX no seu sistema é preciso configurá-lo com o
   programa texconfig. Dependendo do sistema esse programa pode estar em:
   /usr/lib/teTeX/bin/texconfig, /usr/local/bin/texconfig,
   /usr/bin/texconfig.
   
   Rode o texconfig como root. Escolha a opção `PREF' e selecione a opção
   `EDITOR'. Entre com o editor de sua preferência. Esse editor será
   usado na edição dos arquivos de configuração. Se você não fizer essa
   escolha será usado o editor definido na variável de ambiente EDITOR.
   Se essa variável não estiver definida será usado o vi. Volte ao menu
   principal com a opção `RETURN'.
   
   Escolha a opção `HYPHEN'. Nesse momento você entrará no editor
   escolhido no item anterior. Descomente (retire o `%' da frente) a
   linha:
   
%portuges        pthyph.tex

   Repita o processo para cada idioma que você planeja utilizar.
   Tipicamente ``english' e``portuges' são suficientes na maioria das
   instalações. Salve esse arquivo e saia do editor. Você deverá retornar
   ao menu principal.
   
   Escolha a opção `MODE', selecionando o tipo de impressora que planeja
   utilizar e retorne ao menu principal.
   
   Escolha a opção ``XDVI' seguido de``PAPER'. Escolha o tipo de papel que
   planeja usar, tipicamente `A4'. Retorne ao menu principal com a opção
   `RETURN'.
   
   Escolha a opção ``DVIPS' seguido de``GLOBAL'. Escolha o tipo de papel
   que planeja usar, tipicamente `A4'. Neste momento você pode tentar
   imprimir uma página de teste com a opção `TEST'. No caso de você ainda
   não ter sua impressora configurada para o seu sistema, dicas de
   instalação e configuração podem ser obtidas em [2,7]. Caso sua
   impressora precise de um ajuste nos offsets horizontal e vertical isso
   pode ser feito na opção `OFFSETS'. Retorne ao menu principal com a
   opção `RETURN'.
   
   Escolha a opção ``FONT' seguido de``VARDIR'. Nesse diretório são
   criadas as fontes do LaTeX à medida que vão sendo exigidas. Aceite o
   default (tipicamente /var/texfonts) ou entre com outro diretório. Dê
   ``OK' e volte a menu anterior. Escolha a opção``FONTRW'. Essa opção
   coloca permissões de escrita para others no diretório de criação de
   fontes. Isso é necessário para que qualquer usuário do sistema possa
   rodar LaTeX. Caso isso não seja necessário ou desejável, remova essas
   permissões de escrita com a opção `FONTRO'. Por fim selecione
   ``OPTIONS', marcando com barra de espaço as opções``varfonts' e
   ``stickydir'. Dê``OK' seguido de `RETURN' para voltar ao menu
   principal.
   
   Nesse momento a configuração está concluída. Saia do texconfig com a
   opção `EXIT'. Você pode voltar a rodar esse programa para mudar a
   configuração do sistema em qualquer momento que desejar.
   
Referências

   
   1
          Michel Goossens, Frank Mittelbach, and Alexander Samarin.
          The LaTeX Companion.
          Addison-Wesley, Reading, MA, USA, second edition, 1994.
   2
          Robert Kiesling.
          The teTeX HOWTO.
          http://sunsite.unc.edu/pub/Linux/docs/howto/TeTeX-HOWTO.
   3
          Leslie Lamport.
          LaTeX: A Document Preparation System.
          Addison-Wesley, Reading, MA, USA, second edition, 1996.
   4
          Tobias Oetiker.
          The Not So Short Introduction to LaTeX.
          http://wso.williams.edu/help/lshort2e/.
   5
          Bruce Schneier.
          Applied Cryptography: Protocols, Algorithms, and Source Code in
          C.
          John Wiley & Sons, Inc., second edition, 1996.
   6
          Klaus Steding-Jessen.
          LaTeX demo: Exemplos com LaTeX2e.
          http://www.ahand.unicamp.br/jessen/LaTeX/LaTeX-demo/LaTeX-demo.
          tar.gz.
   7
          Grant Taylor.
          The Linux Printing HOWTO.
          http://sunsite.unc.edu/pub/Linux/docs/howto/Printing-HOWTO.
          


Veja a relação completa dos artigos de Rubens Queiroz de Almeida